4G brasileira pode atrasar

Os brasileiros podem ficar na mão na hora de utilizarem seus novos celulares 4G. A implantação da infraestrutura está atrasada, e desta vez, a culpa nem é toda das lentas operadoras brasileiras.

A VIVO, a CLARO, a TIM e a OI desta vez tem uma grande desculpa. Elas enfrentam grandes dificuldades para obterem licenças de instalação e funcionamento das novas antenas de comunicação para as redes 4G junto às prefeituras. O excesso de burocracia estão dificultando em muito a chegada da tecnologia. Segundo as operadoras, elas poderão até mesmo não cumprir o contrato definido no Edital da liberação do 4G realizado pela Anatel no ano passado.

A promessa é que todas as cidades sede de jogos na Copa das Confederações, a realizar-se no meio deste ano, teriam a nova tecnologia disponível antes do evento. Existem relatos que algumas prefeituras demoram de 6 meses a um ano para liberar a licença, o que em si só, já é um absurdo.

Um projeto de lei tramita no congresso para simplificar e unificar a legislação referente à liberação de licenças para as antenas, a chamada Lei das Antenas. O projeto já foi aprovado no Senado em dezembro do ano passado, mas infelizmente, na Câmera dos Deputados está travado, pois como os senhores deputados só trabalham depois do Carnaval, e até hoje, já no mês de março, nem o Orçamento da União foi aprovado ainda, nem os otimistas acreditam que esta lei seja aprovada neste semestre.

Enquanto isso, os Estados Unidos, Japão e os países asiáticos já usufruem de 4G há bastante tempo. A Europa, que já está em fase avançada de implantação do 4G, já iniciam pesquisas para o 5G.

 

Estamos perdendo novamente o bonde do avanço tecnológico e ficando para trás. Do jeito que a coisa está caminhando, em alguns anos, iremos importar celulares já usados ou fora de linha nos países mais avançados para serem usados como novidade por aqui. Triste realidade.